ENREDO

Alemanha, 1933. Louise von Salomé, escritora e psicanalista, decide reescrever as suas memórias. Ela tem 72 anos. Desde criança quis ser uma intelectual, não se casar ou ter filhos. As suas ideias filosóficas contestadoras das regras e da religiosidade levaram-na a uma postura de independência feminina sem barreiras masculinas, seduzem alguns homens e mentes mais brilhantes da sua época. Entre eles, os filósofos Paul Rée e Friedrich Nietzsche, o psicanalista Sigmund Freud, o poeta Rainer Maria Rilke, o jovem filólogo Ernst Pfeiffer e o orientalista Friedrich Carl Andreas. Muitos se apaixonam, mas sem acreditar no casamento, ela exercita a liberdade de viver. No século XX, a sua postura feminista e pensamento libertário a tornam alvo da Gestapo.

FICHA TÉCNICA

LOU ANDREAS-SALOMÉ
ALEMANHA, 2017
Direção: CORDULA KABLITZ-POST
Roteiro: Cordula Kablitz-Post/Susanne Hertel
Elenco: Nicole Heesters, Katharina Lorenz, Liv Lisa Fries, Helena Pieske e Matthias Lier
Montagem: Beatrice Babin
Drama verídico
113 minutos
16 anos
CineArt

O FILME, LOU E A DIRETORA

Melhor Filme no Festival Internacional de Cinema de Emden, marca a estreia na direção de longa-metragem da documentarista e diretora de séries para a televisão Cordula Kablitz-Post, 33. Escritora, filósofa e tida como a primeira psicanalista da história, a russa Louise von Salomé (1861-1937), autora de A Humanidade da Mulher e o Problema de Reflexões Sobre o Amor (títulos em tradução livre), não tem um livro editado no Brasil. Sua postura de liberdade inspirou diversos pensadores. Em Ecce Homo, Nietzsche reconhece a inspiração em Lou para escrever Assim Falava Zaratustra. Correspondências entre Lou e Rilke, entre Lou e Freud, e com Anna Freud (filha de Freud) evidenciam a troca de pensamentos eram mutuamente consideradas em suas obras. Hoje, sua postura ainda influencia a mulher europeia aos ideais de liberdade.

A PALAVRA DE CORDULA

O CAMPO DO TRABALHO DELA É IMENSO. NÃO HAVERIA COMO ABORDAR TUDO EM UM ÚNICO FILME. QUANDO VOCÊ FAZ UM FILME SOBRE EINSTEIN, POR EXEMPLO, PODE ESCOLHER “OK, VOU FALAR SOBRE A TEORIA DA RELATIVIDADE”. MAS LOU ERA MUITO DIVERSA (…), NÃO DAVA PRÁ ESCOLHER APENAS UM TEMA. QUANDO DECIDE CONTAR TODA UMA VIDA, É PRECISO ESCOLHER UM FILTRO. ENTÃO, PARA MIM, O MAIS IMPORTANTE SOBRE ELA ERA ESSE IDEAL DE LIBERDADE. É O QUE HÁ DE MAIS ESSENCIAL SOBRE ELA. TUDO QUE ESCREVEU, DE UM JEITO OU DE OUTRO, ERA SOBRE LIBERDADE. A AUSÊNCIA DE DEUS, A PRESENÇA FEMININA, A RELAÇÃO COM OS HOMENS, TUDO TINHA A VER COM A IDEIA DE SER LIVRE. ELA FOI UM ESPÍRITO MUITO LIVRE. E COMO CONTAR ISSO ERA MUITO DIFÍCIL. É PRECISO MAIS MOSTRAR DO QUE APENAS DIZER

Cordula Kablitz-Post, cineasta

TRAILER

YOUTUBE

FOTOS

CIDADES E HORÁRIOS

ESTREIA EM 1º DE MARÇO

JOÃO PESSOA
DE SEGUNDA A SEXTA-FEIRA – 19h30
SÁBADOS E DOMINGOS – 14h
CINÉPOLIS MANAÍRA SHOPPING – SALA 1

FORTALEZA
DE SEGUNDA A SEXTA-FEIRA – 19h30
SÁBADOS E DOMINGOS – 14h
CINÉPOLIS RIOMAR PAPICU – SALA 10

NATAL
DE SEGUNDA A SEXTA-FEIRA – 19h30
SÁBADOS E DOMINGOS – 14h
CINÉPOLIS NATAL SHOPPING – SALA 3

CRÍTICA ESTRANGEIRA

TUDO SOBRE A PRODUÇÃO É LINDAMENTE FEITO, MAS UM CRÉDITO ESPECIAL É PARA MATTHIAS SCHELLENBERG, CUJA FOTOGRAFIA REVELA-SE EXUBERANTE. O FILME É TÃO SENSUAL QUANTO INTELIGENTE – DE FORMA ADEQUADA, UMA VEZ QUE AS PRÓPRIAS DESCRIÇÕES DA NATUREZA DE SALOMÉ SÃO ALGUMAS DAS PARTES MAIS MEMORÁVEIS DE SEUS LIVROS
Frank Beck, World Literature Today/EUA

ESTE FILME É UMA PAIXÃO, UMA BELA INTRODUÇÃO, DETALHADA E PRECISA HISTORICAMENTE, DA VIDA E O TRABALHO DE LOU (…) NÓS SAÍMOS DO CINEMA COM PERGUNTAS (…) E O DESEJO DE LER OU RELER TEXTOS DESTA MULHER, QUE APESAR DE SUA NOTORIEDADE, MUITAS VEZES PERMANECEU NA SOMBRA COMO A MUSA DOS GRANDES HOMENS
AnneM, Filmdienst, Alemanha

O RETRATO ESCLARECEDOR DE UMA MULHER EDUCADA, AUTOCONFIANTE E EMANCIPADA, RETRATADA EM VÁRIAS CAMADAS, ENQUANTO AS FIGURAS MASCULINAS PARECEM BASTANTE PÁLIDAS. POR SINAL, UM PEQUENO TRATADO SOBRE COMO CONTAR E TRABALHAR NA PRÓPRIA HISTÓRIA DA VIDA
Filmdienst, Alemanha

CRÍTICA BRASILEIRA