ENREDO

Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis), estilista confiante e focado que inspira–se nas mulheres, as quais, constantemente, entram e saem de sua vida. Acostumado a vestir a realeza, estrelas de cinema, socialites e damas da sociedade, Woodcock vê sua vida perder o rumo quando se envolve com Alma (Vicky Krieps), uma jovem forte que logo se torna um acessório necessário para sua vida e carreira – como musa, amiga e amante.

FICHA TÉCNICA

PHANTOM THREAD
EUA, 2017
Direção/Roteiro: PAUL THOMAS ANDERSON
Elenco: Daniel Day-Lewis, Lesley Manville, Vicky Krieps, Sue Clark e Joan Brown
Fotografia: Paul Thomas Anderson
Montagem: Dylan Tichenor
Música: Jonny Greenwood
Drama de época
130 minutos
Classificação etária
Universal

O FILME E O DIRETOR

Ganhador de 26 prêmios, 58 indicações e eleito um dos 10 Melhores Filmes de 2017 pela crítica dos EUA, oitavo trabalho de Paul Thomas Anderson, 57, de Magnólia (1999), Sangue Negro (2007) e Vício Inerente (2014), o segundo em parceria com Daniel Day-Lewis, ganhador do Oscar por Sangue Negro e Lincoln (2012), que diz ser este o último trabalho de sua carreira. É também o primeiro filme britânico dirigido por Anderson.

A PALAVRA DE ANDERSON

QUANTOS FILMES MAIS POSSO FAZER? O TEMPO ESTÁ ACABANDO. TIVE O DESEJO DE FAZER UM FILME NA INGLATERRA, E UMA APRECIAÇÃO PARA A ALTA COSTURA E AQUELES VESTIDOS E ESSE TIPO DE MUNDO E O GÊNERO DO ROMANCE GÓTICO QUE TAMBÉM ME ATRAÍA. E EU IREI CITAR: CHRIS ROCK ME DISSE UMA VEZ: “CARA, QUANDO VOCÊ VAI FAZER UM FILME DE RELACIONAMENTO?” EU REAGI: “HMM, ISSO É BOM”. SE CHRIS ROCK LHE DÁ UM CONSELHO, VOCÊ DEVE ACEITÁ-LO
Paul Thomas Anderson, cineasta

TRAILER

YOUTUBE

FOTOS

CIDADES E HORÁRIOS

ESTREIA EM 22 DE FEVEREIRO

CIRCUITO A DEFINIR

CRÍTICA ESTRANGEIRA

COM O MESTRE E TRAMA FANTASMA, ANDERSON CONTA A MESMA HISTÓRIA – NO PRIMEIRO FILME, COMO TRAGÉDIA; NO SEGUNDO, COMO FARSA. O QUE É NOTÁVEL É QUE A FARSA É A MAIS TRÁGICA DE AMBOS, PORQUE O TEMA DE TRAMA FANTASMA É O AMOR, O PODER TUMULTUADO DO AMOR E A PROXIMIDADE DA CRIAÇÃO E DESTRUIÇÃO NA ARTE E NO AMOR
Richard Brody, NewYorker/EUA

TRAMA FANTASMA DE PAUL THOMAS ANDERSON LANÇA UM FEITIÇO NOTÁVEL; ISSO ENVOLVE VOCÊ, COMO UM XALE DE CAXEMIRA DELICADAMENTE PERFUMADO, TECIDO DE MÚSICA E CORES SURPREENDENTES
Moira MacDonald, Seattle Times

A ATENÇÃO AOS DETALHES, O USO DE CERTAS CORES, A FOTOGRAFIA EXUBERANTE E VIBRANTE DOS VESTIDOS QUE REYNOLDS FAZ E AS ROUPAS QUE ELE VESTE – SÃO HONESTAMENTE DE TIRAR O FÔLEGO
Richard Roeper, Chicago Sun-Times

TRAMA FANTASMA É O TIPO DE FILME QUE RARAMENTE É FEITO – INTRANSIGENTE, SOFISTICADO E INTELIGENTE
Calvin Wilson, St. Louis Post-Dispatch

PROVAVELMENTE É NECESSÁRIO VER TRAMA FANTASMA MAIS DE UMA VEZ PARA SABOREAR COMPLETAMENTE A MANHA DA MALÍCIA, A ATRAÇÃO ERÓTICA E O BOM GOSTO INSIDIOSO
Colin Covert, Minneapolis Star Tribune

PAUL THOMAS ANDERSON EVOCA A REBECCA DE HITCHCOCK E ATÉ MY FAIR LADY NESTE ROMANCE GÓTICO ESCURO. DDL DIZ QUE É SEU ÚLTIMO FILME (NÃO APOSTE NISSO)
James Verniere, Boston Herald

DUAS VISUALIZAÇÕES DE TRAMA FANTASMA PODEM NÃO SER SUFICIENTES. COMO A REAÇÃO A UM VESTIDO BEM FEITO, PRIMEIRO VOCÊ É ABSORVIDO PELA SUA ESTÉTICA. ENTÃO VOCÊ PODE APRECIAR SUA CONSTRUÇÃO. DEPOIS DISSO, VEM A ALEGRIA EM APRECIAR NOVAMENTE, E NOVAMENTE…
Rain Jokinen, MullingMovies.com

CRÍTICA BRASILEIRA 

QUE RELAÇÃO É ESSA?… por KADU SILVA